quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Cosanostra a Fiorentina



Os Medici: o poder da "gente nuova" e a oposição da aristocracia fiorentina


Depois de ver os oito capítulos da primeira temporada da série Medici-Masters of Florence, escrita por Franz Spotnitz e Nicholas Mayer, sai com a absoluta convicção que os autores beberam e beberam muito no clássico de Mário Puzo, O Poderoso Chefão. Alguém dirá que é isso mesmo. Que as diferenças entre Giovanni de Medici (interpretado por Dustin Hoffmann) e Vito Corleone estão relacionadas apenas ao tempo histórico e a forma. Mas, na essência são mesmo idênticas.

Aos fatos. Ao contrário de Veneza, Gênova e Milão onde a aristocracia jamais concedeu qualquer migalha de poder, em Florença, no início do século XIV, abriu-se às margens do Arno uma avenida de oportunidades para a chamada “gente nuova”.

Do que se trata¿ Gente que veio do Interior da Toscana e da Itália, de outros países da Europa, com algum capital e que foram atraídos pela possibilidade inimaginável de produzir e comercializar produtos agrícolas, vinho e azeite principalmente, e tecido.

Foi com uma tecelagem de algodão (italiano) e lã importada da Inglaterra, que Giovanni de Medici iniciou o seu império econômico. Ganhou tanto dinheiro que abriu um banco e aumentou seu poder quando conquistou a conta bancária da Igreja Católica, e passou a suportar todos os depósitos de dízimos e impostos amealhados dos estados papais de toda a Europa.

A série começa com o envenenamento de Giovanni (cicuta líquida aspergida em suas parreiras) e a assunção de Cosimo de Medici, seu primogênito. Um rapaz sonhador, que imaginava ser artista e que queria distância dos negócios do pai, mas se tornou seu sucessor e aprimorou os métodos, digamos políticos, da condução do poder da família. Uma espécie de Michael Corleone.

O final da série, pelo ritmo da narrativa, deixa claro que a segunda temporada vai tratar daquele que elevará Florença a condição de capital do Renascimento, Lorenzo “O Magnifico”, bisneto de Giovanni, filho de Piero, o primogênito de Cosimo. E aí é de se supor que as semelhanças com a família Corleone vão desaparecer.

É curioso constatar que a reação da aristocracia florentina aos Medici, evidentemente graças ao poder político e econômico amealhado, se dissimula por uma oposição ao apoio da família a novas formas de arte. Mais precisamente a escultura do jovem Davi, feita por Donatello, que se pretendia símbolo da nova Florença. Outro ponto de reação é sobre a visão arquitetônica da perspectiva, usada nos desenhos de Bruneleschi, a soldo dos Medici, para construir a cúpula da Basílica de Santa Maria de Fiore.

Qualquer semelhança com os tempos atuais, seguramente não é mera coincidência. A série vale a pena, por seus aspectos históricos, pela curiosa comparação entre os Medici e os Corleone e pela extraordinária interpretação de Richard Madden (Cosimo) e Anabel Sholey (Contessina). Também me chamou a atenção um personagem que claramente não existiu, Marco Bello, uma espécie de Titus Pullus do Renascimento.       

quinta-feira, 27 de julho de 2017

A praia que existe no coração de cada um


A retirada de Dunquerque: a verdadeira, não a cinematográfica





O  general prussiano Carl von Clausewitz, morto em Breslávia, na Polônia, em 1831, é um personagem obrigatório para quem quer entender a guerra franco-prussiana de 1870 e os dois conflitos mundiais do século XX.

Clausewitz escreveu um livro chamado “Da Guerra” e nele definiu a doutrina da guerra relâmpago, empreendida de forma tão rápida que os inimigos não teriam tempo nem de trocar os pijamas, ou as camisolas.

Foi baseado na doutrina Clausewitz que o general Helmuth von Moltke, o jovem Moltke, convenceu o Kaiser Guilherme II que a Primeira Guerra Mundial estaria resolvida antes do final da primavera de 1914. Não contavam com a resistência do rei Alberto da Bélgica, o que atrasou a invasão da França e quase permitiu que os russos chegassem a Berlim.

Também se esqueceram que a Bélgica era um protetorado inglês e a não concordância dos belgas em permitir que os alemães passassem por seu território para chegar a França era um ato de guerra, o que trouxe a Força Expedicionária Britânica para o conflito. Resultado: a tortura das trincheiras e um embate militar travado que durou quase cinco anos.

Quando Winston Churchill se apresentou para o rei George VI, em maio de 1940, no Palácio de Buckinghan, ele não era nem de longe o tipo de político que a casa real gostaria de lidar. Estava acostumada com a pasmaceira de Neville Chamberlain e os conservadores ainda achavam que havia um certo exagero na análise do belicismo alemão.

Churchill foi cirúrgico. Abriu um mapa e mostrou ao rei que os alemães isolariam cerca de 340 mil soldados britânicos, franceses e belgas numa praia chamada Dunquerque e que depois disso, o arquipélago estaria completamente desprotegido. Até a gagueira do rei parou.

A operação de retirada foi uma das páginas mais dramáticas da segunda guerra. Cálculos otimistas davam conta de tirar 30 ou na melhor das hipóteses 40 mil soldados. Churchill montou um gabinete de coalisão com os trabalhistas, seu vice foi Clement Attlee. Fez um apelo a Nação. Toda e qualquer embarcação, cargueira ou de lazer, deveria se apresentar em Dunquerque.

As condições eram totalmente adversas. O calado da praia era muito pequeno. Destroiers e navios cargueiros não conseguiam se aproximar. Para piorar cerca de 50 mil soldados estavam feridos e tinham dificuldade de locomoção.

No memorável discurso de posse no parlamento inglês, Churchill faz uma forte referência a operação. Lembrou que não se ganham guerras com evacuações. Mas, celebrou o seu sucesso.

Dunquerque, obviamente é uma referência na Segunda Guerra, mas o cinema nunca retratou o episódio. A única vez que vi alguma coisa a respeito, foi numa série documental da BBC. Christopher Nolan está perfeitamente equipado para contar esta história. Mais ainda se mostrar que existe uma praia destas no interior de cada um de nós. Alguns tem o privilégio de ter um comandante como Winston Spencer Churchill, outros não. Esta é a diferença.


quinta-feira, 8 de junho de 2017

A constante descoberta que se torna sensacional



Anisio Teixeira: um dos pioneiros da Educação Pública no Brasil





Uma das coisas que mais me incomodam no que pode ser definido como modo-de-vida brasileiro é a constante descoberta do óbvio. A constatação de uma verdade que sempre existiu e que de tempos em tempos torna-se sensacional.
Alguns temas brasileiros são tão recorrentes que datam da época do Império. Um exemplo¿ O desequilíbrio regional entre as regiões Sul-Sudeste e Norte-Nordeste. É bem verdade que este tema se tornou mais relevante graças ao brilho e a competência do professor Celso Furtado.
Outro tema tremendo que vira-e-vira está nas mentes e nos corações brasileiros: a educação pública. O professor Célio da Cunha, único historiador da Educação que eu conheço, relata que o debate é secular. Ganhou destaque com o manifesto dos educadores no início dos anos 30. E não faltaram defensores brilhantes desta aspiração nacional. Vou citar apenas um: Anísio Teixeira.
Na mesma linha, o problema crônico da saúde pública. A despeito do país ter contado com o concurso de sanitaristas como Oswaldo Cruz, Emílio Ribas, Emílio Goeldi, entre outros, ainda é difícil as pessoas entenderem que quando o cidadão chega até o hospital é porque a política sanitária fracassou. Este debate data da República Velha.
O que o Brasil gastou de tinta e papel na discussão destes temas ao longo de sua história republicana é uma enormidade. A sociedade brasileira derrama um rio de lágrimas quando se depara com a realidade da absoluta falta de estrutura para o desenvolvimento no Norte-Nordeste. Com o drama dos fluxos migratórios.
Todos os anos aparecem produções cinematográficas ou jornalísticas a denunciar que a educação pública brasileira é ruim. Que os professores são mal pagos, que não há esperança entre os jovens pobres. Que a saúde pública brasileira é um desastre. Hospitais abandonados, postos de saúde superlotados, doentes nos corredores e assim por diante.
Lágrimas e discursos revoltados que duram um, talvez dois dias. Depois disso segue tudo como antes. Salários medíocres para os professores, ações básicas de saúde reduzidas ao mínimo por falta de recursos públicos, soluções milagrosas que advém do voluntarismo de algumas organizações não governamentais e que jamais são absorvidas pelo governo.

O Brasil parece aquele personagem condenado a acordar sempre no mesmo dia. Ou a um paciente de Alzheimer que toda vez que se confronta com a mesma realidade, se assusta com o seu ineditismo.

terça-feira, 16 de maio de 2017

O preço da verdade


Brizola de volta ao Brasil: Lula era agente da OIT




Escrevo ao som do concerto 1 para piano de Chopin, que acredito ser uma das peças musicais mais inspiradas que eu conheço. Um exercício de virtuosismo gigantesco. Mas, é claro que alguém pode dizer que se trata de um peça melosa demais, romântica demais, cheia de arpejos e acordes que remontam um contemplativismo ultrapassado. E, por que diabos, um italiano turrão como eu se embeveceria com o gênio polonês¿

Aprendi ao longo de 45 anos de profissão, 46 agora em maio, que jornalistas nunca são bem-vindos. Se forem, alguma coisa está errada. Não. Não somos donos da verdade. Mas, estamos cheios delas. E, invariavelmente, somos incômodos.

Certa vez, provoquei um desconforto danado porque relatei que dois dirigentes sindicais importantes tratavam de questões fundamentais para o movimento trabalhista e para o país, enquanto sorviam doses de conhaque português. Um Macieira, se não me engano.

Não inventei. Também tomei uma ou outra dose. E, confesso que esta informação não tinha nenhuma importância. Usei apenas para reportar que o ambiente era fraterno.

Ficaram ofendidos.  

Tive mestres extraordinários. Parceiros competentes. Formei mais de uma geração de jornalistas e repórteres. Sempre fui um divisor de água. Muita gente adorava trabalhar comigo, outros odiavam. Recebi muitas críticas pelo meu temperamento, pelo meu jeito de ser. Mas, nunca me acusaram, nem eu acusei, quem quer que seja de estar a serviço disso ou daquilo.

Nos períodos de transição entre um emprego e outro, várias vezes fui prejudicado por ser ideologicamente identificado com um lado da moeda. E outras tantas por ser identificado com o outro lado.

Fui acusado de ser corporativista por defender meus colegas. Sei que alguns deles são maus. Cruéis. Invejosos. Ciumentos. São humanos.

Fico revoltado quando presencio críticas infundadas contra repórteres que apenas estão cumprindo o dever de apurar informações e torna-las públicas. E que não raro são acusados de participar de notáveis conspirações. É cruel.

Conheço muitos repórteres que mesmo diante da constatação de que a informação base da sua reportagem é falsa, fazem vista grossa e aprofundam especulações e conclusões equivocadas. Dá um trabalho danado corrigir depois.

No papel de assessor de comunicação, defini duas verdades que norteiam o meu trabalho: 1) Existem dois tipos de notícias: as verdadeiras e as falsas. 2) No processo de comunicação é fundamental ter conteúdo e verdade. Fora disso, não tem salvação.

Minha vida seria muito mais confortável se a cada notícia desconfortável ou equivocada eu a atribuísse a uma notável conspiração. É muito mais difícil tentar entender o desconforto, ou admitir que o equívoco pode ter sido falha minha ou da assessoria, que não deu a importância devida ao repórter. Errou ao avaliar a sua importância ou subestimou o profissional.

Quando Brizola voltou ao Brasil, no dia 7 de setembro de 1979, eu ouvi ele dizer que Ulysses Guimarães servira aos militares e que Luís Inácio Lula da Silva era um agente da OIT. Ele foi questionado por suas declarações e reiterou-as. Estava embevecido pelo retorno, convencido de que iria mudar o país, entusiasmado pela recepção de seus conterrâneos. Sei lá. Mas, falou o que falou e repetiu.

Um tempo depois negou. E disse que tudo era uma conspiração do general Golbery. Tá legal, como diz o grande Elio Gaspari, é jogo jogado.

Outra coisa que me irrita é a fulanização da notícia. Tal repórter é mau intencionado. Admito que simpatias não são vendidas na rua 25 de março. Podem procurar à vontade. E isso é recíproco. Entrevistei gente que eu não tolerava e assessorei muitos que ou se imaginavam simpáticos e populares ou discriminados. O antídoto a isso é uma fórmula comum: educação, respeito e transparência. Nenhum repórter resiste a isso.

Arrogância, jactância e presunção normalmente acabam mal. Ainda me lembro de um episódio que eu vivi com a minha amiga Leila Suwwan, no MEC. Ela repórter de O Globo queria, e tinha este direito, uma entrevista com o responsável pela logística da primeira prova do Enem, aquela que foi roubada. O personagem em questão era um professor da Universidade Federal do Pará. Quando falei com ele, demonstrou confiança.

- Não quer repassar alguns pontos polêmicos, que ela com certeza vai lhe perguntar¿

- Não é preciso. Ela é apenas uma repórter.

- Professor, o senhor não acha que talvez a sua posição não seja tão sólida como queira transparecer¿

- Não.

Reportei o diálogo ao ministro Fernando Haddad, que me orientou: faça a entrevista na sua sala, fique ao lado dele, se ele está tão seguro, deixe falar.

Foi um dos maiores desastres que eu presenciei. Na terceira pergunta, o tal professor foi acometido de um acesso de tosse tremendo. Recolhido ao banheiro, providencialmente, me cobrou:

- Você não me avisou que as perguntas seriam tão específicas. Esta menina é mal intencionada!

- Como assim¿ Tudo que ela lhe perguntou é rigorosamente procedente. Se você não tem as respostas, a culpa é sua, não dela.

Mas, tem o outro lado também. Assessorava o então prefeito de Buenos Aires, Maurício Macri, em visita a Prefeitura de São Paulo.

- Dr.Macri há um exército de jornalistas que querem ouvi-lo¿

- Nunzio talvez não seja o caso.

- Como assim, o prefeito de uma das maiores capitais do mundo visita seu colega em São Paulo, isso é notícia.

Depois de muita insistência, ele concordou.

Primeira pergunta: “Como que um dirigente do River Plate se tornou prefeito de Buenos Aires e o que isso pode influir na sua gestão¿”

Entrevista nem começou; Macri saiu da sala. Me olhou com aquele olhar do tipo “eu te falei”.

Macri foi presidente do Boca Júniors.

Um ministro que eu assessorei, na verdade, consultei, ainda no Governo Sarney, certa vez me chamou em desespero:

- Tem uma matéria que vai sair no Globo amanhã e você tem que tirar.

- Como assim¿

- A matéria é ruim para o governo, é ruim para mim.

Quando eu me inteirei da reportagem, conclui que o ministro tinha razão. Ia lhe custar o cargo, na melhor das hipóteses.

- Mas, como esta repórter teve acesso a todas estas informações¿ Tem até um ping-pong com você confirmando tudo.

- Pois é. Fui tomar um uísque com ela no Piantella e me animei além da conta.

A matéria saiu. O ministro perdeu o emprego.

Outra notável foi uma manchete também do Globo: Metade dos estudantes estão abaixo da média das notas do Enem. Informação foi confirmada pelo INEP.

Não era uma barriga. Era um ventre inteiro de dinossauro.

Mas, o melhor ainda viria. Uma colega, muito querida, do UOL, me liga:

-Preciso repercutir a manchete do Globo. Quem no INEP pode falar sobre isso¿

- Meu Deus! Preste atenção. Se é uma média aritmética, é evidente que metade tem que estar abaixo e metade tem que estar acima.

- Não é bem assim. Falei com especialistas que me disseram que isso é um absurdo e que a eficiência e a credibilidade do Enem estão abaladas.

Pode parecer absurdo. Mas, tive que convocar uma entrevista coletiva com o Luiz Cláudio, então secretário de Ensino Superior, professor, doutor em Matemática, para dar uma aula sobre médias aritméticas.

No dia seguinte, pelo menos um grande jornal publicou: MEC confirma, metade dos alunos estão abaixo da média do ENEM.

A vida de repórter não é fácil. A de assessor de imprensa também não. Mas, certamente eu não iria querer outra vida. Entre “conspirações” e incompetências ainda confio e muito nos meus colegas. Aprendi e aprendo muito com eles.  


Em tempo, o concerto de Chopin já acabou, estou ouvindo agora o quinteto para clarinete de Mozart, o K.581, chamado Stadler. Uma obra prima.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Minha diva predileta faz 90 anos


Leontyne Price: deusa dos palcos, deixou seu legado em várias gravações




Não há como negar que a indústria fonográfica facilitou, em muito, o surgimento no século XX dos grandes cantores de ópera. Sobretudo as divas. Maria Callas, Kirsten Flagstad, Cláudia Múzio, Joan Sutherland, Elizabeth Schwarpkof, Kathleen Ferrier, apenas para citar as mais famosas. E, em homenagem as minhas amigas Camila Tittinger e Maria José Siri, deusas do século XXI, quero falar sobre a minha soprano predileta, Leontyne Price. Uma senhora que em fevereiro passado completou 90 anos  de idade.

Nascida no Mississipi, ela estudou na Julliard School em Nova York e fez seu debut em palcos em 1950 como Alice Ford do Falstaff de Verdi, em uma montagem escolar. No ano seguinte, arrebentou a boca do balão com a criação de uma Bess impressionante e uma consagrada turnê pela Europa. A partir daí sua carreira decolou e ela começou a compor grandes personagens, com sua voz potente e sua absoluta presença de cena. Se apresentou no Alla Scala, no Convent Garden, em Berlim, Paris e Viena. Em Salzburgo compôs uma Donna Anna do D.Giovanni, inesquecível. E, finalmente, em 1960 estreou no Metropolitan como Lenora de Il Trovatore. E, se não bastasse, fez a primeira Cleópatra, em 1966, na première mundial de Antonius e Cleopatra, de Samuel Barber.

A primeira vez que eu a ouvi foi em um grupo de ouvintes de música, que se reunia um sábado por mês, para se deleitar com as novidades. Foi na década de 60 e era uma gravação em disco, se não me engano da DECCA britânica, de Il Trovatore ao vivo em Salzburgo. Herbert Karajan era o regente. Giuletta Simionatto, a contralto (ou meio-soprano) fazia Azucena, Franco Corelli (nos estertores) fazia Manrico e o grande barítono italiano Ettore Bastianini fazia o Conde Luna. Claro. Leontyne Price, esta negra maravilhosa, fazia Lenora.

Confesso que, embora os especialistas não a incluam entre as grandes obras do maestro Giuseppe Verdi, eu tenho uma fascinação enorme por esta ciganada. Toda a segunda cena do primeiro ato é muita, mas muita música. O segundo ato, por sua vez, é muito teatro, muito drama. Stride la vampa é uma narrativa de horror, impressionante. Não há quem não se arrepie. O Miserere do quarto ato e o desfecho da trama são impressionantes.

Verdi não poupa os quatro cantores principais. Arranca a pele e exige uma performance teatral imensa. Ele faria igual com o Otelo no final da carreira.

Pois bem. Na gravação, dava para perceber que Price teve uma aclamação enorme ao final do Tacea la notte plácida, ainda no primeiro ato. E isso em Salzburgo, um dos públicos mais exigentes do planeta. Eu ouvi a ária aterrado. Preso contra a parede. Era um novo padrão de cantora. Podia-se ver o seu desempenho teatral pela forma como abordava as notas.

Anos mais tarde ouvi a Aída que Leontyne Price gravara em estúdio em Roma, com o maestro Georg Solti, e com ninguém menos que Jon Vickers, o célebre tenor canadense, como Radamés. Confesso que tive a impressão que os dois criaram os personagens de uma forma que Verdi jamais sonharia. Tal a perfeição.

Em 1985, Leontyne Price abandonou os palcos. Nos deixou registrada a sua produção musical, tremenda, em várias gravações. Para mim, ela foi uma das maiores.      

sábado, 22 de abril de 2017

As efemérides históricas de abril

Luís de Camões: escrivão de Vasco da Gama

Tomas A.Gonzaga: ouvidor em Vila Rica

Cumpriu-se ontem a efeméride da Inconfidência Mineira, na data em que Joaquim José da Silva Xavier subiu ao patíbulo, 225 anos certo¿, e cumpre-se hoje a do achamento do Brasil, por Pedro Álvares Cabral, 517 anos, com certeza.
O Joaquim José, chamado Tiradentes, virou figura mitológica apenas no primeiro período getulista. O culto patriótico do movimento, aliás, ganhou mesmo popularidade graças ao Estado Novo.
De fato, trata-se, os gaúchos que me perdoem, do mais importante movimento político em terras brasileiras. É bem verdade que o cabeça do movimento, Cláudio Manuel da Costa, era pupilo de Sebastião Carvalho, o Marques de Pombal, que naquele momento histórico experimentava grande ostracismo na corte de D.Maria I.
Thomas Antônio Gonzaga também. Aliás, os dois principais trabalhos literários do movimento são de autoria dele: as Cartas Chilenas e o monumental poema Marília de Dirceu.
Aliás, o romance dele com Maria Doroteia Joaquina de Seixas Brandão, representado no poema, é nas palavras de Manoel Bandeira, basilar no arcadismo lusitano.
O livro foi publicado em Lisboa no mesmo ano em que Thomas partiu para o exílio em Moçambique.
Há relatos confiáveis de que, anos mais tarde, Maria Doroteia, já casada com um oficial do exército colonial português, encontrou-se com Thomas em Angola. O poeta, sonhador, terminou seus dias casado com a filha de um escravocrata, de quem cuidava dos negócios, em Maputo. Triste fim. Seria melhor o patíbulo.
Bem. Engana-se quem acha que a população no Rio de Janeiro consternou-se com a execução do Tiradentes. Na verdade, os portugueses que habitavam e comandavam a colônia, preferiam mesmo viver sob jugo de Portugal. E mais. Em pagar um quinto de tudo que fosse produzido na colônia para a metrópole.
Quanto a Cabral. Trata-se de um fracassado assumido. Saiu de Lisboa no dia 9 de março, sem nunca antes ter navegado, com uma frota enorme de navios de guerra, com destino às Índias.
Não era uma expedição de descobrimento, muito menos de relações comerciais. Cabral assumiu a posição de Vasco da Gama, considerado naquele momento, tíbio pelo rei D.Sebastião, o mesmo que negou recursos para Colombo descobrir a América.
Cabral perdeu-se nas calmarias africanas e não fosse o continente americano estaria navegando até hoje em busca de um porto seguro.
Achou o Brasil, mandou seu escrivão Pero Vaz de Caminha escrever uma carta ao rei, comunicando o ocorrido, mandou Gaspar de Lemos de volta a Lisboa com a correspondência. E sem maiores consequências, seguiu viagem.
Sabe-se que na passagem do Cabo da Boa Esperança, metade de sua frota soçobrou e que seu escrivão pereceu. A carta desapareceu. Cabral voltou a Portugal com apenas três das treze caravelas com que partira, sem grandes resultados comerciais. O achamento do Brasil rendeu apenas duas expedições subsequentes, estas sim de descobrimento, comandadas por Americo Vespúccio, financiada por banqueiros florentinos, quase com certeza judeus, que não queriam saber de um português no comando de qualquer expedição.
Cabral nunca mais voltou ao mar. Vasco da Gama, este sim o grande herói português do período das navegações, foi resgatado.
Sem saber que um dia seria nome de um clube de futebol no Rio, o almirante Vasco da Gama tinha como escrivão e amigo, ninguém menos que Luís de Camões, o autor da epopeia que serviria de base para a língua portuguesa, Os Lusíadas.

Em meio aos tempos conturbados em que vive a nação luso-brasileira. Mais a brasileira do que a lusa. É bom lembrar que mesmo diante de fracassos, como a Inconfidência Mineira e a busca de uma rota alternativa para as Índias, sobraram obras de peso, relatos impressionantes, como os de Camões e Thomas Antônio Gonzaga.  

domingo, 16 de abril de 2017

Por falar em História


Vladimir Putin: nova versão de Guilherme II 






Mais do que os bilhões da propina das empreiteiras. Mais do que a constatação de que o tecido político brasileiro esgarçou, para dizer o mínimo, ou simplesmente desapareceu. O que me preocupa sobremaneira é como a história vai registrar estes dias doidos que este planeta vive. Sim, porque esta tragédia não é brasileira. É global.
O filósofo francês Alana Baidou na Ilustríssima de hoje compara o momento atual com o primeiro semestre de 1914, pouco antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial. Vladimir Putin desempenharia o papel que coube ao Kaiser Wilhelm II. Pode ser. Até porque um dos motivos daquele conflito – apenas um deles – era o fato de que os alemães e austríacos não se conformavam com a proeminência de Paris sobre Berlim e Viena.
Claro, o mundo é e foi mais sofisticado que isso. Não se pode esquecer as razões econômicas. Principalmente a eterna tentativa teutônica de dominar a Europa; o projeto de construção da ferrovia Berlim-Bagdá; o desejo de expansão colonial de alemães e austríacos e uma centena de outras razões.
Me chamou a atenção também uma nota, na verdade três, na coluna de Sônia Racy no Estadão: pais de alunos do colégio Santa Cruz, uma escola de elite ( e põe elite nisso) redigiram documento, que vazou em grupos de WhatsApp, com críticas a versão ideológica pró-esquerda de muitas aulas, em especial de História Geral e do Brasil. Teve resposta da escola e depois na tréplica até um recuo.
Em seu absurdamente competente livro, Sem Novidade no Front, Erich Maria Remarque revela que a doutrinação belicista alemã era fervorosa dentro das salas de aula. Defendia-se abertamente que os ingleses se constituíam em um povo bárbaro, por muitos anos dominado por uma mulher (a rainha Victoria) e que comiam carne crua. Os franceses, decadentes, incapazes de se defender militarmente, permitiam que o debate de idéias novas corrompesse a sociedade ocidental. E os russos e os sérvios, vistos como povos primitivos.
Milhares de jovens entre 16 e 20 anos abandonaram a banca escolar e se engajaram na propaganda oficial de que a guerra seria rápida, em nome da modernidade e da defesa dos valores civilizatórios. Foram mais de 10 milhões de mortos, quase cinco anos de batalhas, e o mundo nunca mais seria o mesmo.
No meu tempo de escola, aprendi que os Bandeirantes eram heróis que interiorizaram o desenvolvimento do Brasil. Que a Inconfidência Mineira foi um movimento de amplo apoio popular, desgraçadamente dominado por um tirano, o Visconde de Barbacena. Que a Independência do Brasil, longe de ser um acerto entre as elites comerciais portuguesas, foi um brado da nacionalidade brasileira. Que o imperador Pedro II era um bom velhinho. Que a abolição da escravatura permitiu a vinda dos imigrantes. E, por ai vai....
Fiz o ensino médio bem no meio do Ame-o ou Deixe-o. Do AI-5 e da 477. Mas, aí a coisa virou.
Felizmente.
Mesmo na banca de uma escola pública, tive o apoio de professores extraordinários que passaram a me orientar na busca de outra versão da história. A maturidade fez o resto.
O que querem estes pais preocupados com a doutrinação nas escolas¿ Que seus filhos sejam uns autômatos, alienados, robóticos¿

Aí estaremos mesmo encrencados.